Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Enem: Reitor José Costa recebe ligação de ministro da Educação
Início do conteúdo da página Notícias

Enem: Reitor José Costa recebe ligação de ministro da Educação

  • Assessoria de Comunicação
  • publicado 01/10/2009 15h52
  • última modificação 01/10/2009 15h52
Imprimir

O reitor do Instituto Federal do Maranhão, José Ferreira Costa, recebeu na manhã desta quinta-feira, 1º de outubro, uma ligação do ministro da Educação, Fernando Haddad, em razão do adiamento da prova do Enem (Exame Nacional de Ensino Médio).

Durante a conversa, o reitor lamentou o cancelamento, que mexe com escolas, alunos e suas famílias, mas, ao mesmo tempo, declarou apoio à medida tomada pelo ministro. “Haddad nos passou segurança e pediu que os reitores estejam inteirados dessas informações e conversem com as populações de seus estados”, destacou José Costa.

O reitor garante que o MEC (Ministério da Educação) está tomando todas as providências para que ninguém seja prejudicado e que a lisura do concurso se restabeleça. “Não devemos absorver apenas o cancelamento. É necessário acreditar que a decisão do ministro Haddad foi acertada” acrescenta.

Durante coletiva de imprensa realizada em Brasília, no início da tarde, o ministro Fernando Haddad afirmou que as provas serão realizadas a partir de novembro, mas a data ainda será definida e divulgada.

Vagas do Instituto Federal no Enem
O Instituto Federal do Maranhão lançou em julho deste ano edital com 1.400 vagas distribuídas em 34 cursos superiores de Licenciatura, Bacharelado e Tecnologia, nas modalidades presencial e a distância. 25 dessas graduações estão sendo oferecidas pela primeira vez.

Entenda o caso
Segundo reportagem do jornal ‘O Estado de São Paulo’, que afirma ter tido acesso à prova que seria aplicada, pessoas avisaram o periódico sobre o vazamento e contaram ter obtido a prova por meio de funcionários do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Um homem, ainda de acordo com a reportagem, tentou vender uma cópia da prova ao jornal por R$ 500 mil.

registrado em:
Fim do conteúdo da página