Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Instituto presente na Fundação Arte e Vida
Início do conteúdo da página Notícias

Instituto presente na Fundação Arte e Vida

  • Assessoria de Comunicação
  • publicado 27/10/2009 19h50
  • última modificação 27/10/2009 19h50
Imprimir

Solidariedade, amizade sincera, honestidade e fé. São nestes pilares que Dona Isabel Conceição da Silva, 60 anos, e ainda em busca de sua aposentadoria, se sustenta para manter o projeto social denominado Fundação Arte e Vida. O slogan ela pronuncia de forma enfática – arte de viver com dignidade.

fundacao4EDT   fundacao5EDT   fundacao2EDT

A ação acontece no município de Zé Doca e atende a 420 crianças carentes da cidade, graças à atitude de voluntários que se dedicam a alfabetizá-las, além de repassar conhecimentos nas áreas de crochê, bordados, tapetes, etiqueta, música, reforço escolar, cidadania e relações humanas.

“Se a gente não estivesse aqui, estaria na rua, atentando e caçando sacrifício pra mãe”, conta Carlos Eduardo, 10 anos, que se beneficia das brincadeiras e estudos ofertados pelo projeto.

No último final de semana, a equipe do Instituto Federal do Maranhão, formada por profissionais de diversos campi, que estavam em Zé Doca participando do I Fórum de Dirigentes de Planejamento e Gestão, fizeram uma visita ao local, onde pararam no intuito de ouvir a longa história de Dona Isabel, que começou com um sonho, enquanto dormia, aos oito anos de idade, no município de Caxias. Segundo ela, um anjo loiro apareceu-lhe entregando crianças para que tomasse de conta.

A partir daí, começou a trabalhar como ajudante de carpinteiro, fazendo pontes nos interiores e ajudando pessoas em hospitais. “Cheguei a trabalhar 250 metros de chão adentro em busca da realização do sonho, não consegui porque venho de uma família pobre, mas que tinha respeito e amor”, revela Dona Isabel. O pagamento desta última atividade veio anos depois, com a doação de um terreno para que fosse construída a fundação.

“Em 2005 saí pedindo tijolos, areia e ferro e, em maio de 2007, as portas se abriram”, relembra, sem deixar de ressaltar que falta de dinheiro não é motivo para que as coisas não aconteçam, principalmente quando se têm amigos e prevalece a solidariedade.

“Ninguém faz nada sozinho. Deus deve estar em primeiro lugar, e em segundo, os colaboradores”, ensina a mulher que foi alfabetizada aos dez anos de idade e parou de estudar para cuidar da mãe, que desenvolveu uma doença mental.

A afinidade com o Instituto veio logo que a escola foi implantada na cidade. Hoje, a ajuda chega em forma de cestas básicas, arrecadadas em gincanas escolares, em forma de arte, através da decoração do espaço, feita por professores da área.

fundacao3EDT   fundacao6EDT   fundacao7EDT

Presente no local, o reitor José Costa convocou sua equipe de trabalho a buscar outras formas de apoio ao projeto.

“Minha emoção é de alegria, e não de tristeza, por estar aqui presenciando essa força de amor e paixão que move a senhora. É uma ação que precisa ser colocada em evidência”, expressou a diretora do Campus Centro Histórico, Denise Bogéa.

“Ela me comoveu ao revelar que a vontade é a faculdade da alma”, disse a pró-reitora de Ensino, Marise Piedade. “O importante é termos a certeza de que podemos contribuir”, reforçou o diretor do Campus Zé Doca, Ivaldo José da Silva.

Para Dona Isabel, o espaço Arte e Vida já é a realização de um sonho, que veio para tirar crianças da marginalidade e, apesar das dificuldades encontradas ao longo desta luta, ela prossegue com os ensinamentos, afirmando que pobreza não é feiúra, feio é não ter oportunidades, caráter e verdade. “Esses são os principais defeitos que encontro em muitas pessoas, que podem, mas não ajudam”, concluiu.

registrado em:
Fim do conteúdo da página