Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Instituto presenteia Lula com artesanato maranhense
Início do conteúdo da página Notícias

Instituto presenteia Lula com artesanato maranhense

  • Assessoria de Comunicação
  • publicado 24/02/2010 21h12
  • última modificação 24/02/2010 21h12
Imprimir
A solenidade de inauguração dos três campi do Instituto Federal do Maranhão: São Luís-Centro Histórico, Zé Doca e Buriticupu, realizada no dia 1º de fevereiro, em Brasília, rendeu ao presidente Luis Inácio Lula da Silva o ganho de um chapéu de vaqueiro e um maracá, utilizados nas tradicionais festas de bumba-meu-boi no Maranhão.

As lembranças foram produzidas pelas alunas Ângela Cristina Coelho e Janaina Maia, do curso de Artesanato (Proeja) – Campus Centro Histórico.

foto_lula2EDT

A entrega do material, embalado em uma caixa toda em MDF, pintada com massa corrida e tampa recoberta com filtros de café, para dá textura de couro, foi feita diretamente pela diretora do campus, professora Denise Bogéa.

“Parabenizo as alunas pela arte produzida, pois foi através desse trabalho que elas levaram o valor do Proeja e um símbolo da cultura do Estado para as mãos do presidente”, disse.

O chapéu foi recoberto de veludo, enfeitado com canutilhos, bordados, miçangas e paetês, que deram cores à imagem de São Jorge, estampada em um de seus lados.

foto_lula1EDT

Ana Cristina, que fez o maracá, conta que o material é de zinco, com bolinhas de chumbo, por dentro. Ela explica que antes de pintá-lo passou a prainer, uma espécie de base que auxilia na fixação da tinta de parede, utilizada na pintura. Em seguida, usou fitilhos com as cores da bandeira do Maranhão. De um lado, o desenho do Bumba-meu-boi e de outro, a logomarca do Instituto. Acompanhando o círculo, a frase: “O melhor do Brasil está no Maranhão”. “Eu queria uma frase impactante que valorizasse o Estado”, conta Ângela, que aprendeu a dominar a arte da pintura sozinha, olhando revistas e vitrines. “Às vezes nem durmo imaginando coisas a serem produzidas”, revela.
registrado em:
Fim do conteúdo da página