Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Reitoria realiza ação itinerante nos campi
Início do conteúdo da página Notícias

Reitoria realiza ação itinerante nos campi

  • Augusto do Nascimento
  • publicado 29/09/2015 23h56
  • última modificação 30/09/2015 00h39

Imprimir
S J Patos itinerancia (2)

Reitor Roberto Brandão dialoga com classe estudantil de cada campus sobre demandas do corpo discente

Vivenciar de perto a realidade dos campi e propor alternativas para a solução de questões enfrentadas diretamente pelos gestores e demais integrantes de cada unidade autônoma do IFMA. São alguns dos principais objetivos das visitas técnicas que a gestão do Instituto vem realizando aos campi, nos últimos meses. Até agora, já foram visitadas as unidades de Pinheiro, Bacabal, Zé Doca, São Raimundo das Mangabeiras, São João dos Patos e Codó, e em 30 de setembro (quarta-feira), a equipe da Reitoria segue a Barra do Corda.

“A presença da Reitoria no campus facilita conhecer de perto os problemas e questões a serem resolvidos”, explicou o reitor Roberto Brandão, observando que as atividades do IFMA se desenvolvem tanto no nível de gestão das diretorias gerais dos campi quanto na estrutura sistêmica da Reitoria, cuja ação alcança o conjunto de pontos de presença do Instituto. O reitor ressaltou que ambas instâncias administrativas devem manter uma articulação estreita para garantir os bons resultados de gestão, em um universo de 26 campi, mais de 32 mil alunos matriculados e 2.700 servidores.

Mangabeiras itinerancia (2)

Em contato direto com alta gestão do IFMA, servidores nos campi relatam experiências e dificuldades

O grupo de trabalho que realiza a ação itinerante é formado por representantes de diferentes campos de atuação no âmbito do Instituto, desde a tríade de ensino, pesquisa e extensão, até setores ligados a administração e planejamento, infraestrutura, assistência estudantil, relações institucionais, comunicação, dentre outros. Em cada campus, a gestão do IFMA (além do reitor, pró-reitores, diretores sistêmicos, chefes de núcleos, coordenadorias e departamentos ligados a assuntos específicos) toma conhecimento dos avanços alcançados bem como das dificuldades encontradas nas atividades cotidianas da gestão local e da comunidade acadêmica.

Em seu modus operandi, a equipe itinerante da Reitoria aborda cada segmento das unidades – diretor geral, diretores e chefes setoriais, assessores, servidores técnico-administrativos e professores, estudantes de cada turno e representantes discentes – a fim de detectar carências e pontos fortes vividos no dia-a-dia dos campi. No decorrer de dias, por meio de discussões e debates abertos ou restritos a cada área de atividade de gestão, busca-se definir medidas factíveis que conciliem os recursos materiais, humanos e financeiros disponíveis com metas de cumprimento do curto ao longo prazo.

CODO (3)

Ação itinerante reúne distintos segmentos em cada unidade visitada

Para José Cardoso de Souza Filho, diretor geral do Campus Codó, a oportunidade de trocar experiência diretamente com integrantes da alta gestão do IFMA aproxima concretamente a Reitoria da realidade cotidiana de cada ponto de presença, por permitir a clara detecção de “problemas visíveis e invisíveis” (que nem sempre são percebidos pelos próprios membros da comunidade). Ele considerou que a interlocução dos gestores sistêmicos do Instituto junto às unidades se amplia para além da visão das gestões locais, quando se agregam as percepções e pontos de vista dos outros atores que fazem o dia-a-dia do campus.

A pró-reitora de Ensino, Ximena Bandeira, avaliou que a ação itinerante tem sido profícua nesse segmento, pois o contato direto com coordenadores de cursos técnicos e superiores, diretores e chefes de departamentos, entre outros, permite conhecer as demandas do ensino local e as questões de desenvolvimento educacional que precisam de encaminhamentos. “Construímos uma agenda positiva para que o ensino, como atividade fim da instituição, transcorra com a maior qualidade possível, e seja alcançada a visão do IFMA de ser referência em educação profissional, tecnológica e superior”, disse a pró-reitora. Fatores também avaliados nessa área são o acervo bibliográfico das bibliotecas e a estrutura dos laboratórios, além dos resultados das avaliações de ensino médio e superior pelo Ministério da Educação (MEC).

Claudete Ribeiro de Araújo, professora de Filosofia no Campus São João dos Patos, ressaltou que na ação itinerante os servidores podem manter o diálogo e a troca de opiniões com os representantes da Reitoria, apresentando-lhes diretamente suas indagações e buscando esclarecimentos sobre diferentes questões. “O processo educacional e institucional é feito de avanços, fracassos e sucessos, e vamos aprendendo uns com os outros”, disse a professora. Para Claudete Ribeiro, o impacto da presença da equipe de gestores no ambiente do campus é similar à situação de uma família que, para solucionar um problema que venha enfrentando, busca referências de alguém de fora do grupo. Ela afirmou ter boas perspectivas quanto à continuidade das atividades no campus após a visita de trabalho.

O pró-reitor de Administração e Planejamento, Carlos César Teixeira, apontou como um dos principais objetivos da ação itinerante a formulação de estratégias voltadas à consolidação dos trabalhos de gestão do Instituto, a partir da articulação da Reitoria com as diretorias dos campi. Na reflexão do pró-reitor, a execução de um plano de ação se dá com a observação das dificuldades nas próprias unidades autônomas e o diálogo com seus gestores. Carlos César Teixeira chamou ainda a atenção para a resolução concreta de parte das demandas dos campi por meio da ação itinerante, como empenhos relativos a processos de obras e serviços ou aquisição de material.

S J Patos itinerancia (3)

Demandas da comunidade acadêmica são apresentadas à equipe técnica da Reitoria

Chefe do Núcleo de Fiscalização da Diretoria de Infraestrutura (Dinfra), o engenheiro Magno França considerou que a expansão dos Institutos Federais levou à construção de inúmeras unidades em cidades do interior de todos os estados brasileiros, a fim de promover a educação profissional aos jovens. No caso do IFMA, o chefe de núcleo disse que a ação itinerante constitui uma ocasião para rever as instalações físicas e acompanhar o andamento da execução de obras nos campi, bem como para complementar serviços de construção. Sobre a infraestrutura das unidades, Magno França destacou ainda que as visitas permitem diagnosticar necessidades de reformas e reparos nos prédios, especialmente aqueles construídos nas fases iniciais do processo de expansão.

Na percepção de Rayanne Lopes dos Santos Silva, da Diretoria de Planejamento e Gestão (DPG) do Campus São Raimundo das Mangabeiras, a passagem da equipe de gestores nas unidades do IFMA motiva nos servidores e alunos a continuidade do trabalho e a superação dos problemas que afetam o andamento das atividades acadêmicas e administrativas. Segundo a diretora, as orientações e encaminhamentos junto aos campi ajudam a gestão e a comunidade local a perceber o rumo a ser traçado na execução de suas ações e programas.

De acordo com Natilene Brito, titular da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (PRPGI), a experiência da ação itinerante tem sido exitosa por oferecer a observação in loco das questões pertinentes à pesquisa. “Temos a oportunidade de conversar com os professores que estão desenvolvendo projetos e conhecer as dificuldades enfrentadas”, disse ela. Natilene Brito considerou ainda que a chance de escutar as demandas dos pesquisadores dos campi facilita a definição de novos programas voltados ao desenvolvimento das atividades de pesquisa e inovação no Instituto, fortalecendo os indicadores nessas áreas.

Dayse Araújo, da Diretoria de Assistência ao Educando (DAE), argumentou que as reuniões realizadas nos campi com os profissionais que atuam nessa área, assim como as conversas com os estudantes, ajudam a conhecer os reais impactos da política de assistência aos alunos atualmente adotada no IFMA. A implantação de diferentes programas tem o objetivo de atender às necessidades básicas do corpo discente e favorecer sua permanência no Instituto até a conclusão dos cursos. A assistente social destacou também a possibilidade de a DAE prestar orientações aos setores de cada campus, de acordo com suas questões e demandas particulares, e ainda acompanhar a execução dos recursos orçamentários destinados à assistência estudantil no IFMA.

CODO (2)

Estudantes têm participação ativa na discussão sobre atividades cotidianas dos campi

O estudante Gabriel Trinta, do 8º período de Matemática no Campus Codó, considerou gratificante o contato direto com o reitor e sua equipe, pois a ação itinerante demonstra empenho dos gestores em solucionar as questões pertinentes aos campi. Como representante de curso, o aluno afirmou que o corpo discente já via necessidade de uma maior aproximação com a Reitoria, e enfatizou a expectativa de próximos encontros para a apresentação de propostas do movimento estudantil, ou mesmo para a revisão de caminhos a seguir. “A partir de agora, tenho certeza de que todos vão se empenhar em tentar participar um pouco mais e discutir a vida acadêmica e os movimentos do campus”, disse Gabriel Trinta. Segundo ele, o debate proporcionado pela itinerância da Reitoria levará à ação efetiva por diversos segmentos e setores dos campi e de todo o IFMA.

“A ida do reitor e de sua equipe técnica aos campi facilita muito mais o diálogo entre as pessoas que estão no dia-a-dia trabalhando e os gestores, que têm de dar justificativas à comunidade”, disse a diretora de desenvolvimento institucional, Cristiane Lacerda, estendendo o alcance da ação itinerante inclusive às famílias de alunos e servidores. Ela observou que, embora a gestão do IFMA esteja atenta ao que se passa nas unidades descentralizadas, as visitas de trabalho permitem diagnosticar situações e estabelecer relações mais próximas com a realidade de cada segmento, a fim de se buscarem soluções efetivas para a melhoria da gestão. Cristiane Lacerda fez referência ao Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto, salientando as diretrizes de gestão participativa e incentivo à transparência, previstas no documento.

Fim do conteúdo da página