Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Mesa redonda debate qualificação contra descargas atmosféricas
Início do conteúdo da página Notícias

Mesa redonda debate qualificação contra descargas atmosféricas

A ação faz parte do projeto de extensão do IFMA para aperfeiçoar bombeiros militares.
  • Valdália Andrade
  • publicado 16/03/2018 10h19
  • última modificação 16/03/2018 10h23

Imprimir

Membros da corporação técnica do Corpo de Bombeiros capacitados em proteção de edifícios contra descargas atmosféricas.

O pró-reitor de Extensão e Relações Institucionais do Instituto Federal do Maranhão, professor Fernando Lima, presidiu na manhã desta quarta-feira, 14 de março, a mesa redonda, onde foram discutidas as competências técnicas e atribuições dos profissionais com qualificação e habilitação para projetar, manter, inspecionar e fiscalizar a proteção contra descargas atmosféricas de estruturas. O debate, realizado no Multicenter Sebrae, em São Luís, contou com a participação de representantes do IFMA, Corpo de Bombeiros, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão (Crea- MA), Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Maranhão e Centrais Elétricas do Maranhão (Cemar).

A ação incorpora o projeto de extensão voltado para a capacitação de integrantes do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão, o que resultou no curso denominado Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA), coordenado pelo professor do IFMA, José Raimundo Ferreira Guimarães. Segundo ele, a carga horária foi de 160 horas-aula, estendendo-se de janeiro a março de 2018. Ao todo, 30 militares da corporação que atuam em atividades técnicas, como fiscais, dentre outras funções, receberam – nas dependências do Campus Monte Castelo – formação específica em proteção de edifícios contra descargas atmosféricas.

Ele explica que a programação aconteceu em conjunto com os alunos, que levaram suas dúvidas para sala de aula, proporcionando estudos de casos voltados para as diferentes regiões do estado onde atuam. O momento também foi para esclarecer dúvidas sobre os responsáveis por projetos estruturais e arquitetônicos, no intuito de buscar soluções técnicas junto aos órgãos competentes.

“É uma gama de conhecimentos que traz embasamentos importantes, especialmente quando os órgãos estão reunidos com o mesmo fim. Louvo a oportunidade de aprender com o professor Guimarães.”, expôs o Coronel Sandro Luís Silva Saraiva, representando o comandante geral do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão, coronel Célio Roberto Pinto de Araújo.

“Essa parceria se reverte para a sociedade como um ganho excelente, na medida em que os profissionais são mais capacitados em proteção”, diz Guimarães, referindo-se à análise de norma regulamentadora (NBR 5419) que trata das medidas de proteção contra descargas atmosféricas e teve revisão publicada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) em 2015. O documento, explica o professor, é constituído em 4 partes: aspectos gerais, gerenciamento de risco; métodos concebidos para se proteger contra descargas atmosféricas e proteção contra surtos de tensão.

“A constituição de normas foi feita para proteção do ser humano e temos que respeitar isso em primeiro lugar”, comentou o pró-reitor Fernando Lima, ressaltando a necessidade de que todos os participantes do processo sejam ouvidos e possam partilhar seus conhecimentos, inclusive com os estudantes, contribuindo para o processo formativo dos futuros profissionais, porque o mais importante é a proteção da vida.

O chefe de Inspeção do Trabalho, ligado à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Maranhão, Paulo Lázaro de Carvalho Filho, destacou que o segmento da construção hoje no Brasil é o responsável pelo maior índice de acidentes de trabalho graves e fatais. “O segundo fator das mortalidades são os efeitos das instalações elétricas – o choque elétrico – Nas fiscalizações detectamos, na grande maioria dos estabelecimentos, céleres improvisações, popularmente conhecidas como gambiarras, que levam a sérios riscos”. Sobre as consequências destas improvisações, ele diz que são desastrosas e que o Ministério do Trabalho elabora relatórios, autua quando há irregularidades e cobra documentação e laudos para atestar se há condições de aterramentos adequadas.

“Nós temos um contingente muito grande a ser fiscalizado no interior do Estado. A nossa meta é que este trabalho alcance a sua plenitude, o que requer recursos humanos e materiais”, esclareceu o presidente do Crea-Ma, Berilo Macedo da Silva, parabenizando o IFMA pela iniciativa, visto que todos ali presentes atuam em prol do bem-estar da sociedade. “Então nada melhor que todos os órgãos estejam envolvidos em conjunto, trabalhando no mesmo sentido, em relação a esta questão de segurança do trabalho e sistema de proteção”.

Comandante da 3ª Companhia Independente de Bombeiros de Itapecuru Mirim, que tem jurisdição sobre quatorze cidades regionais, o major Patrício Daniel acrescenta que na região há incidências rotineiras de raios. “Postos de combustíveis, depósitos de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), dentre outras indústrias, requer a instalação dessa proteção de descarga atmosférica. “Então o curso veio para que estejamos atualizados sobre a norma regulamentadora, que estabelece os requisitos mínimos do fator de proteção.”

Durante o esclarecimento de dúvidas, a atividade envolveu temas como segurança, atribuições de atividades profissionais, fiscalização de empresas que desenvolvem atividades de engenharia, decisão de processos, análise de projetos, sugestões de futuros trabalhos acadêmicos para integração das instituições.

Sobre o projeto

Propõe-se a estreitar as relações entre IFMA e Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão, ofertando um serviço de relevância e qualidade para a sociedade maranhense.

O material esclarece que um sistema de proteção contra descargas atmosféricas -SPDA deverá ser projetado, implementado e avaliado segundo os requisitos normativos pertinentes. Desse modo, os atores que interagem nesse contexto, deverão ter a devida capacitação para prover um melhor serviço revertido para a sociedade, através de análise de projetos, recomendações técnicas e fiscalizações sistemáticas de avaliação de conformidades com os requisitos das normas técnicas envolvidas, em especial, a Norma Técnica NBR 5419 – Proteção de Estruturas contra Descargas Atmosféricas; a NRR- 5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão, a Norma Regulamentadora NR10 – Segurança em Instalações e Serviços com Eletricidade, além das Instruções Normativas do Corpo de Bombeiros Militares.

Fim do conteúdo da página