Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Alunos do IFMA participam da Festa da Menina Moça em aldeia indígena
Início do conteúdo da página Notícias

Alunos do IFMA participam da Festa da Menina Moça em aldeia indígena

Ritual marca a passagem das meninas indígenas da infância para a vida adulta, na aldeia Zutiwa, em Arame-MA
  • Com informações do NEABI/IFMA
  • publicado 19/09/2019 15h46
  • última modificação 19/09/2019 15h46

Imprimir
Estudantes do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) participaram da tradicional Festa da Menina Moça na aldeia indígena Zutiwa, localizada em Arame-MA. O Ritual do Moqueado, como também é conhecida a celebração, é uma cerimônia que marca a passagem das meninas indígenas da infância para a idade adulta.

A visita-técnica, que ocorreu nos dias 13, 14 e 15 de setembro, foi organizada pelos Núcleos de Estudos Afro-brasileiros e Indiodescendentes (NEABIs) dos campi Grajaú e São Raimundo das Mangabeiras do IFMA. A Aldeia Zutiwa fica localizada na Reserva Indígena Arariboia. O objetivo da atividade, segundo os organizadores, foi proporcionar aos estudantes a aquisição de novos conhecimentos, numa perspectiva holística e natural, relacionados às práticas e cultura indígena no Maranhão.

No dia da festa, todos se reúnem num só lugar e aos poucos a aldeia vai ficando cheia. No ritual, as meninas são preparadas com pintura corporal de jenipapo, cordões, penas de aves e saias longas, depois de prontas elas saem da oca e mostram sua beleza para toda a aldeia e são recebidas com música. A festa dura a noite inteira e, no domingo pela manhã é servido o Moqueado, que são carnes de caça preparadas durante um mês. Depois de servir o moqueado as meninas da aldeia estão prontas para casar e iniciar uma família.

Integrante do NEABI do Campus São Raimundo das Mangabeiras, Johnny Herbethy Martins Ferreira destacou a importância da visita-técnica de estudo. “A imersão na Aldeia Zutiwa nos possibilitou a compreensão de diversas características da cultura indígena, como a música, a dança, a alimentação, a pintura corporal, as línguas utilizadas e as dificuldades em manter essas tradições. Dessa forma, essas ações do NEABI contribuem para a formação e experiências que acendem várias possibilidades de aproximação com os públicos das políticas afirmativas”, disse.

O coordenador do NEABI do Campus Grajaú, Vagner Pereira Professor, comentou que a realização do Ritual do Moqueado é um exemplo de força e identidade da Terra Indígena Arariboia. “A visita à aldeia foi um momento marcante e emocionante. Ao presenciarmos a festa da menina moça, pudemos constatar que os rituais e a cultura local continuam fortes mesmo diante das adversidades. A visita à aldeia serviu para revigorar a nossa atuação no NEABI, pois com esta vivência percebemos o quanto a atuação do núcleo faz sentido e o quanto há ainda para aprendermos e lutarmos junto com os indígenas para a garantia dos direitos e valorização da cultura nas comunidades tradicionais”, declarou.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página