Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Notícias (Destaque Foto Grande) > Maracanã: pesquisas nas áreas da produção animal, vegetal e alimentos são premiadas no Semic 2019
Início do conteúdo da página Notícias

Maracanã: pesquisas nas áreas da produção animal, vegetal e alimentos são premiadas no Semic 2019

  • Romulo Gomes
  • publicado 05/11/2019 17h25
  • última modificação 05/11/2019 17h32

Imprimir

Foram premiados trabalhos nas modalidades Produção Vegetal, Produção Animal e Alimentos

Esterco bovino para adubação de batata-doce biofortificada. Uso da planta sabiá ou sansão-do-campo (Mimosa caesalpiniifolia) para combater verminose em caprinos. Análise do amido extraído do caroço de pitomba. Foram essas as temáticas abordadas pelas pesquisas que ficaram em primeiro lugar, nas três modalidades do Seminário de Iniciação Científica (Semic), realizado entre os dias 22 e 24 de outubro, no Instituto Federal do Maranhão (IFMA) – Campus Maracanã. A premiação contemplou estudos nas áreas da produção animal, vegetal e alimentos.

O estudante de Agronomia/Pronera, Marcos da Costa Teixeira, testou cinco doses distintas de esterco de bovino no cultivo da batata-doce biofortificada. Ele queria avaliar os efeitos desse tipo de adubação orgânica sobre a produtividade da hortaliça. No experimento, que aconteceu entre os meses de outubro de 2018 e fevereiro de 2019, no setor de Olericultura, foram aplicadas as doses 0 Testemunha, 5, 10, 15 e 20 t ha -1 (toneladas por hectare). A maior dosagem testada (20 t ha -1) foi a que se mostrou mais eficiente, alcançando uma produtividade média de 52 t ha -1.

Esses resultados podem ajudar a traçar estratégias para melhorar o índice de produtividade da batata-doce biofortificada no Maranhão. “No Estado, existe uma carência de pesquisas na área e faltam informações para os produtores, principalmente sobre a recomendação de nutrição adequada para essa cultura”, apontou o jovem pesquisador, que foi orientado, nesse trabalho, pela professora Sandra Cruz, doutora em Agronomia (Ciência do Solo).

Marcos Teixeira apresentou o trabalho no Semic 2019 e conquistou o primeiro lugar na modalidade Produção Vegetal. Ele é estudante de Agronomia, por meio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), voltado a jovens e adultos assentados, filhos de assentados ou de comunidades remanescentes de quilombolas. O estudo premiado faz parte de uma investigação maior do grupo de pesquisa Produção Vegetal, que também está avaliando algumas técnicas de produção de mudas da cultivar batata-doce biofortificada e de outras variedades de batatas crioulas.

O estudante de Agronomia/Pronera, Marcos Teixeira, testou doses de esterco de bovino no cultivo de batata-doce biofortificada

Verminose em caprinos

A pesquisa vencedora da modalidade Produção Animal foi desenvolvida pela estudante de Zootecnia, Maria da Cruz Sabrina Cavalcante e Silva, que avaliou o perfil bioquímico de caprinos infectados, de forma natural, por vermes gastrintestinais (nematódeos). Foram examinados 24 animais machos, mestiços da raça Anglonubiano, todos com seis meses de idade e pesando 15 kg.

Em laboratório, com a supervisão do professor Danilo Brito, que é doutor em Ciência Animal, a aluna identificou as concentrações de glicose, proteínas totais, albumina, aspartato aminotransferase (AST), Gamaglutamiltransferase (GGT), Fosfatase Alcalina (ALP), colesterol, ureia e creatinina. “Todos esses parâmetros fazem mensuração direta da integridade da célula e funcionamento dos órgãos, sendo que estes mesmos parâmetros são subsídios importantes para o diagnóstico do condicionamento, principalmente hepático, desses animais”, explicou Sabrina.

Os exames indicaram as condições de saúde dos animais infectados com nematódeos. Para o tratamento, os caprinos ficaram divididos em dois grupos e passaram a receber uma alimentação suplementada com a planta Mimosa caesalpiniifolia, popularmente conhecida como sabiá ou sansão-do-campo. “Verificamos que essa planta pode ser uma estratégia natural para contornar a resistência adquirida por esses parasitas [nematódeos] aos medicamentos anti-helmínticos sintéticos, uma vez que uso do sabiá não afeta os parâmetros hematológicos e bioquímicos dos animais”, concluiu a jovem pesquisadora.

Maria da Cruz Sabrina Cavalcante e Silva avaliou o perfil bioquímico de 24 caprinos do próprio IFMA – Maracanã

Farinha de pitomba

O caroço de pitomba (Talisia esculenta Radlk), normalmente descartado depois de a polpa ser consumida, resultou numa farinha com potencial de ser aproveitada como fonte alimentícia. A estudante de Tecnologia em Alimentos, Aline Barroso Freitas, extraiu, otimizou e caracterizou, em termos bioquímicos, o amido dessa farinha. O trabalho é realizado com orientação do professor Jonas Gomes Neto, doutor em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos.

A pesquisa indicou, até agora, uma faixa de 8% a 31% de rendimento de amido. “Nosso próximo passos é a otimização de todo o processo. Queremos encontrar a melhor condição para o máximo de extração desse amido. Também estamos buscando comprovar que ele pode ser consumido, para, quem sabe, futuramente ser produzido em escala industrial”, indicou a estudante.

Aline Barroso Freitas extraiu, otimizou e caracterizou, em termos bioquímicos, o amido da farinha de pitomba

Semic 2019

Esses três estudos estavam entre os 30 trabalhos apresentados no Semic 2019, evento que compôs a programação da Semana de Ciência e Tecnologia do campus, cujo tema central era “Bioeconomia: diversidade e riqueza para o desenvolvimento sustentável”. Todos os estudantes que participaram são bolsitas dos programas institucionais de iniciação científica (PIBIC), de iniciação em desenvolvimento tecnológico e inovação (PIBITI) e pelo Programa Institucional Voluntário de Iniciação Científica e/ou Tecnológica (PIVICT).

O Semic 2019 foi organizado pelo Núcleo de Pesquisa e Pós-Gradução do Campus Maracanã, chefiado pelo professor Jonas Gomes Neto. A diretora geral do campus, Lucimeire Amorim Castro, participou da cerimônia de premiação. Receberam certificados as pesquisas classificadas em primeiro, segundo e terceiro lugar.

Confira a relação completa dos vencedores do Semic 2019:


PRODUÇÃO ANIMAL

Perfil bioquímico de caprinos infectados com nematóides gastrintestinais

criados a pasto e suplementados com Mimosa caesalpinifolia.

Bolsista: Maria da Cruz Sabrina Cavalcante e Silva / Orientador: Dr. Danilo Brito

Ocorrência de doenças infecciosas em caprinos e ovinos na ilha de São

Luís, Estado do Maranhão

Bolsista: Amauri Silva Pinheiro/ Orientador: Dr. Danilo Brito

Pesquisa de Salmonella spp. e de oocistos de Eimeria spp. em frangos

tipo caipira abatidos no município de São Luís, MA

Bolsista: Swenia Christina Pinheiro Soares / Orientadora: Dra. Daniela Brito ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀


PRODUÇÃO VEGETAL

Produção e qualidade de batata-doce biofortificada em função de doses

de esterco de bovino

Bolsista: Marcos da Costa Teixeira / Orientadora: Dra. Sandra Cruz

Tratamento e caracterização de resíduo úmido de cervejaria e avaliação

de uso como substrato na horticultura

Bolsista: Ingridi Antonia Matos de Souza / Orientador: Dr. Paulo Medeiros

Cultivo de alface adubada com composto orgânico obtido do reaproveitamento de resíduo sólido proveniente do cultivo de tilápias.

Bolsista: Sidney Jorge Moreira Souza / Orientadora: Dra. Alexsandra Sousa


ALIMENTOS

Extração, otimização e caracterização físico-química do amido da farinha do caroço de pitomba. (Talisia esculenta Radlk)

Bolsista: Aline Barroso Freitas / Orientador: Dr. Jonas Costa Neto

Elaboração de sorvete probiótico de abacaxi enriquecido com farinha de

gengibre

Bolsista: Marileila dos Santos Souza / Orientadora: Dra. Liane Caroline Sousa

Produção de uma aguardente de junça (cyperus esculentus) com a presença

de microesferas do extrato de junça por gelificação iônica

Bolsista: Aquila Cilicia Silva Serejo / Orientador: Dr. Jonas Costa Neto

#IFMACampusMaracanã #Semic2019 #IFMA

 

Fim do conteúdo da página