Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Ex-aluno do IFMA é coautor de manual de Libras para Ciências e Biologia
Início do conteúdo da página Notícias

Ex-aluno do IFMA é coautor de manual de Libras para Ciências e Biologia

Bruno Iles é egresso do Campus Santa Inês. Material foi elaborado por acadêmicos da Universidade Federal do Piauí.
  • Assessoria de Comunicação, com informações do Campus Santa Inês
  • publicado 13/10/2020 14h09
  • última modificação 13/10/2020 14h09
Imprimir

Em 2017, ao estagiar no Ensino Fundamental de uma escola pública, o estudante Bruno Iles – que à época cursava o último ano de graduação em Biologia na Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Parnaíba – PI, percebeu que não havia materiais específicos para surdos e baixo número de intérpretes na instituição. Nesse momento, ele também cursava a disciplina de Libras na graduação, em que uma das atividades avaliativas consistia em aprender a língua básica e produzir um artigo voltado para a comunidade surda dentro da educação. Foi aí que surgiu a ideia de desenvolver um Manual de Libras. “Eu estagiava junto com minha colega de turma, Taiane, e percebemos essa lacuna. Daí, tivemos a ideia de levar um manual de Libras para esses alunos junto com minha turma de graduação. Então, criamos o livro com a ajuda dos alunos surdos com os sinais que não existiam e, em seguida, o manual”.

Organizado por Bruno Iles, Taiane Maria de Oliveira, Rosemary Meneses dos Santos e Jesus Rodrigues Lemos, o Manual de Libras para as disciplinas de Ciências e Biologia nas escolas tem o objetivo de ajudar os professores e a comunidade surda no acesso a terminologias empregadas nesse campo do conhecimento, criando sinais para os termos de Ciências que não existem em Libras e, assim, melhorando o ensino e a aprendizagem.

O manual foi elaborado entre 2018 e 2019 e publicado neste ano, de forma gratuita, digital e com acessibilidade. O material já foi publicado em vários sites educacionais, como Porto Livre, Grupo Steno, Unirio e Ciência Viva. “Considerando a carência de material sobre o assunto e a dificuldade dos profissionais da saúde em realizar atendimento à pessoa com surdez, o material tem suma importância não só para os surdos, mas também para os profissionais da educação e saúde, como os professores, os intérpretes e os instrutores de Libras e estudantes em geral”, destaca Bruno Iles.

Baixe o Manual

 

A trajetória de Bruno

Bruno Iles iniciou sua trajetória acadêmica no Instituto Federal do Maranhão (IFMA) Campus Santa Inês em 2007, no curso técnico integrado em Edificações, com envolvimento em vários projetos no campus. Após concluir o curso, em 2010, logo foi contratado por uma empresa terceirizada pelo IFMA fazendo fiscalização de obras nas cidades de Josias e Zé Doca durante um ano.

Em seguida, fez o curso técnico em Segurança do Trabalho e, com seu esforço e dedicação, foi contratado como técnico em Manutenção Predial no Campus Santa Inês, trabalhando até 2012.

“O IFMA me preparou muito para a universidade. Tive contatos com professores doutores e, com isso, eu já sabia o que queria para o futuro e como funcionava. Assim, me engajava em questões científicas. Por conta da vivência no IFMA, sempre trabalhei com pesquisas e estagiei em algumas empresas importantes. O Instituto Federal foi uma das coisas mais incríveis, me preparou para a vida”, diz o estudante, relembrando sua iniciação científica na instituição.

Durante a graduação em Biologia na Universidade Federal do Piauí (UFPI) Campus Parnaíba, envolveu-se em pesquisas e descobriu a Biotecnologia, área que escolheu para continuar os estudos em nível de mestrado.

Ao longo de 2015, estudou e fez várias pesquisas em Farmacologia aplicada tentando produtos naturais e, ao final do curso, trabalhou com Nanotecnologia. Em 2018, ingressou no Mestrado em Biotecnologia da UFPI, período no qual ministrou aulas, publicou artigos científicos, participou da organização de eventos e trabalhou com Nanotecnologia, com a encapsulação de fármaco para diminuição de efeitos adversos no sistema gastrointestinal, estudo este que gerou uma patente. Quando concluiu o mestrado, o estudante foi aprovado na seleção do Doutorado em NanoCiência e Nanotecnologia da Universidade de Brasília (UNB).

Fim do conteúdo da página