Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > PRENAE lança Plano voltado para a saúde mental no Instituto
Início do conteúdo da página Notícias

PRENAE lança Plano voltado para a saúde mental no Instituto

Segunda edição do documento prevê a formação de comissões nos campi, que desenvolverão as atividades durante o ano
  • Augusto do Nascimento
  • publicado 25/02/2021 12h43
  • última modificação 25/02/2021 19h18

Imprimir

(As imagens apresentadas na matéria foram registradas antes da pandemia da Covid-19, razão pela qual mostram pessoas aglomeradas e sem o uso de máscaras)

A Pró-reitoria de Ensino e Assuntos Estudantis (PRENAE) lançou esta semana o Plano Institucional de Promoção da Saúde Mental e Prevenção do Suicídio (link para o documento no fim da matéria). Elaborada por Renata Cardoso Trovão (psicóloga) e Dayse da Silva Rocha Araújo (assistente social), da Diretoria de Assuntos Estudantis (DAE), a segunda edição do Plano teve ainda a contribuição de outros servidores, e contém orientações gerais para a implantação das medidas previstas.

Segundo Renata Trovão, o Plano teve a versão anterior divulgada em 2018, e a edição atual mantém as principais diretrizes. A psicóloga considerou o aumento nos últimos anos dos casos de transtornos como ansiedade, depressão ou ideação ao suicídio, não apenas no Instituto, mas em toda a sociedade, situação que se agravou no contexto de pandemia da Covid-19. Nesse sentido, a principal proposta do Plano é que toda a comunidade do IFMA participe e se engaje para transformar o ambiente escolar em um espaço promotor de saúde, mais acolhedor e favorável para que as pessoas expressem o próprio sofrimento e busquem as devidas informações com os profissionais da área, relativas à necessidade de tratamento ou de serem encaminhadas para atendimento especializado.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), apresentados no documento da PRENAE, apontam que os transtornos mentais afetam mais de 400 milhões de pessoas em todo mundo, cenário que se torna mais alarmante em razão de entre 75% e 85% das pessoas afetadas por algum desses transtornos não terem acesso a tratamento adequado. No Brasil, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima em cerca de 23 de milhões as pessoas com algum tipo de transtorno mental, dentre as quais pelo menos 5 milhões apresentam quadros caracterizados entre moderado a grave.

O Plano traz ainda dados do Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (Erica), obtidos em pesquisa do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), de que cerca de 30% dos adolescentes brasileiros sofrem com algum tipo de transtorno mental comum (TMC), aqueles relacionados a sintomas como sofrimento psíquico, insônia, cefaleia, fadiga, irritabilidade, esquecimento, dificuldade de concentração, tristeza, ansiedade e preocupação somática. Ainda de acordo com o estudo, o ápice do problema ocorre aos 17 anos, momento em que 44,1% das meninas e 27,7% dos meninos têm algum TMC. Outro tema que aparece com frequência cada vez maior em pesquisas e na mídia é o suicídio, cuja taxa na população brasileira de 15 a 29 anos subiu quase 10% em 12 anos, segundo levantamento divulgado em 2017 pelo Governo Federal no Mapa da Violência, relatório divulgado anualmente com números oficiais do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM).

Saúde mental na escola

De acordo com o pró-reitor Maron Stanley Gomes (PRENAE), o processo de ensino no IFMA não se restringe à aprendizagem de conteúdos acadêmicos, e deve incluir também os diversos aspectos relacionais envolvendo as esferas dos estudantes, professores e demais servidores, bem como as questões pessoais vivenciadas por cada segmento de forma coletiva ou individual. “Nesse contexto de isolamento social, as questões de saúde mental se tornam ainda mais importantes”, disse o pró-reitor, ponderando que a necessidade do atendimento ao educando vai além do caráter pedagógico, e a instituição escolar deve também adotar medidas de promoção da saúde mental e prevenção ao suicídio. Ele considerou o exemplo de alunos que demonstram algum tipo de agressão ou pensamento de morte, ou que fazem uso de drogas e se automutilam.

De fato, o Plano se alinha ao direcionamento dado pelo Ministério da Saúde (MS), que sinaliza a necessidade crescente de desenvolvimento de pesquisas e estratégias de intervenção com vistas a minimizar o impacto do adoecimento mental na sociedade, podendo a escola ser um grande aliado para a concretização de ações de promoção da saúde, dada a capilaridade e abrangência do setor educacional. O MS reconhece que a escola, além da função pedagógica específica, tem uma dimensão social e política voltada para a transformação da sociedade, relacionada ao exercício da cidadania e ao acesso às oportunidades de desenvolvimento e de aprendizagem.

Considerando a realidade do IFMA, o Plano destaca o aumento constante na busca por apoio psicossocial. Entre 2016 e 2017, elevou-se em 77% a quantidade de atendimentos psicológicos pelos profissionais da área que integram o quadro de servidores do Instituto, o que reforça a importância da criação de um plano institucional para nortear o trabalho nesta temática. Renata Trovão informou que já se observam resultados significativos com a implantação do Plano, a exemplo da percepção que servidores, alunos e familiares vêm tendo do próprio papel na promoção da saúde mental, aumentando seu engajamento nas atividades propostas e o alcance das ações. “Vemos as mais diversas iniciativas surgindo nos campi”, comentou Renata Trovão, referindo-se a seminários virtuais, gincanas, rodas de conversa, dentre outros. Segundo ela, as ações das comissões locais têm sido bem sucedidas em motivar o corpo discente.

Implantação

“Cada campus institui uma comissão local, e qualquer servidor pode fazer parte”, explicou Renata Trovão, informando que as ações serão planejadas de acordo com a demanda em cada campus. No entanto, ela esclarece que é prevista a realização de atividades simultaneamente em todas as unidades, visando a alinhar e integrar as ações. O planejamento da DAE define que deverão ser contempladas as datas de 25 de junho (Dia Mundial de Combate às Drogas) e 10 de outubro (Dia Mundial da Saúde Mental), assim como a campanha “Setembro Amarelo”, com ações em alusão à prevenção ao suicídio. No cronograma de desenvolvimento do Plano, os campi têm até 15 de março para enviarem para a DAE as portarias atualizadas com a composição das comissões.

A partir da indicação de um servidor responsável pela implantação do Plano Institucional em cada campus, que apresentará o documento à comunidade e presidirá a comissão local na construção e aplicação do projeto, as etapas seguintes envolvem a elaboração e execução de um plano de atividades, contendo os temas e objetivos das atividades, datas previstas para realização, metodologia, recursos e materiais, profissionais envolvidos e público-alvo. Na execução das ações propostas, que poderão ser modificadas ou adaptadas no decorrer do processo, as comissões atentarão ao nível de engajamento e aceitação do projeto pelos alunos, com registro de relatório de atividades no Sistema Unificado de Administração Pública (SUAP). O cronograma prevê também que a DAE ofereça anualmente capacitação na temática, presencial ou online, preferencialmente no mês de setembro, ministrada por profissionais especialistas nas áreas de saúde mental e prevenção do suicídio.

Treinamentos da DAE (presencial e virtual)

Para o diretor Romário Silva Barros (DAE), o Plano Institucional apresenta um conjunto de estratégias de intervenção e ações permanentes que visam difundir e debater temas relacionados a saúde mental com a comunidade, proporcionando um espaço propício para a promoção da saúde mental dos discentes. “O presente Plano irá fortalecer as ações já realizadas pelas equipes multidisciplinares nas unidades de assistência estudantil, consolidando um importante caminho para a realização das ações nos campi do IFMA”, disse o gestor. Segundo ele, trata-se de um importante recurso a ser mobilizado, proporcionando formação aos servidores, e dando voz aos estudantes. Com isso, insere-se o tema na agenda da comunidade escolar, na busca de melhor qualidade de vida do corpo discente.

Acesse o Plano Institucional de Promoção da Saúde Mental e Prevenção do Suicídio, e o Cronograma 2021.

GALERIA DOS CAMPI

Fim do conteúdo da página